Nel mezzo del bloody cammin di nostra vita mi ritrovai in…

If I survive this trip, that’s what I’ll name the book for the photos after this journey. References that have a great deal to do with: “Divine Comedy” and “Under the Volcano”.

So, friday early in the morning I got the car and drove myself to my first stop: Paraty – Rio de Janeiro. 9h 30min from my city, Londrina. I had read on the internet that one should avoid the road Cunha to Paraty. And that’s exactly the road my evil GPS sent me to. The internet wasn’t effusive enough in letting people know how they absolutely should avoid this road. Unless of course you want to go into a bit of adventurous risk of death. That road should be closed until finished. No joke.

~~~~~

Se eu sobreviver a essa viagem, esse vai ser o título do livro com as fotos dessa jornada. Referências para o significado: “Divina Comédia” e “À sombra do Vulcão”.

Então, sexta-feira de madrugada eu peguei o carro e me dirigi à minha primeira parada: Paraty – Rio de Janeiro. 9h30min da minha cidade, Londrina (chutando na estrada, mantendo média de velocidade de 160/180km – Castelo Branco, sua linda!). Eu havia lido na internet que se deve evitar a estrada Cunha – Paraty. E foi exatamente por essa estrada que o meu GPS possuído pelo demônio me mandou. A internet não é efusiva o suficiente para avisar o quanto as pessoas devem absolutamente evitar essa estrada. Se entrarem nessa estrada, voltem. A não ser que vocês queeeiram uma aventurinha com risco de morte ou destruição do seu carro. 

rain-forest-alright

Until you reach Cunha, the road is a single lane through the mountains, but it’s good enough, the scenery is beautiful. Soon after the town is left behind, you get in a rain forest zone on a dirt road. I stopped the car right when it starts to take photos and I was already not happy with the road, it only gets worse and very dangerous with cracks on the road that I can’t imagine how I managed to go through. Also, sharp stones like shark teeth eager to tear my tires. I took one hour to get through 10km in that chaotic road. At one point I thought I had gotten into a vortex of space and time and was actually heading on a road towards hell. But again… I had fun doing it haha.

~~~~~

Até você chegar em Cunha, a estrada é pista única através da serra, mas é boa o suficiente e o cenário é bonito. Assim que a cidade fica pra trás, você entra numa região de floresta com estrada de terra. O problema é que sempre chove por ali. Eu parei o carro assim que a estrada de TREVAS (!!!) começa para fazer umas fotos e já não estava feliz com o que eu estava vendo, e ela só piora. Tem umas partes com verdadeiros canyons cortando a estrada ao meio que eu nem sei como passei sem jogar meu carro num abismo. E também, pedras pontiagudas como dentes de tubarão morrendo de vontade de rasgar meus pneus. Eu demorei uma hora para atravessar 10km daquele caos de estrada. Teve um momento que eu achei que havia entrado em um vortex de espaço e tempo e estava na real em uma estrada para o inferno. Mas novamente… eu me divirto com essas presepadas.

Cunha-road-to-Paraty Cunha-road-to-Paraty-02 Cunha-road-to-Paraty-03-flipped-over-car Cunha-road-to-Paraty-03-wooden-bridge

This road is “worth” being taken because it’s historical. It’s an old gold road and there are maaaany fancy hostels along the way (closer to Paraty though, and you can get the better parts from there), it’s also in this road a famous waterfall and an alembic (alcohol distilling place of the brazilian strong licquor : cachaça) where you can taste all the cachaças as many times as you want. That’s the spirit!

~~~~~

Essa estrada “vale a pena” porque é histórica. É o velho caminho do ouro e tem um monte de pousada chic pelo caminho (mas mais perto de paraty e não tanto nas trevas), é nessa estrada que tem a famosa cachoeira do Tobogã e um alambique (Engenho d’Oro) onde você pode provar todas as cachaças deles quantas vezes quiser. Esse é o espírito!! E foi engraçado o dono do lugar se empolgando comigo ao me ver bebendo as fortes e curtindo e fazendo careta para as doces.

Alambique-d'oro Alambique-d'oro-02 Alambique-d'oro-03 Alambique-d'oro-04 Alambique-d'oro-05

Cachoeira-do-Tobogã Cachoeira-do-Tobogã-02

On the waterfall’s trail through the woods, there’s a pub called Tarzan’s pub. To reach it you have to go through a suspended wooden bridge that rocks furiously. Can’t imagine the fun leaving the place while drunk.

~~~~~

Na trilha da cachoeira através da mata tem um bar chamado Bar do Tarzan. Para chegar ao bar tem que atravessar uma ponte suspensa de madeira que balança furiosamente (mas é segura, eu passei pulando que nem uma cabrita, pra deixar o povo que estava fazendo foto aflito, sou dessas). Imagina que divertido sair do bar estando podre de bêbado.

Bar-do-Tarzan Bar-do-Tarzan-02 Nel-mezzo-del-bloody-cammin-di-nostra-vita-mi-ritrovai-in Paraty-01

And then, Paraty. The Historical Center is really lovely. But food and hosting are expensive, considering what is delivered.

~~~~~

E daí, Paraty. O Centro Histórico é muito bonito. Mas comida e acomodações são bem caros, ainda mais considerando o que entregam.

Paraty-02 Paraty-03 Paraty-04 Paraty-05 Paraty-Rio-de-Janeiro-01 Paraty-Rio-de-Janeiro-02-igreja-matriz Paraty-Rio-de-Janeiro-03 Paraty-Rio-de-Janeiro-04 Paraty-Rio-de-Janeiro-05 Paraty-Rio-de-Janeiro-06 Paraty-Rio-de-Janeiro-07 Paraty-Rio-de-Janeiro-08 Paraty-Rio-de-Janeiro-09

Paraty-Rio-de-Janeiro-10 Paraty-Rio-de-Janeiro-11 Paraty-Rio-de-Janeiro-12 Paraty-Rio-de-Janeiro-13

(by the way, the city is packed with turists, but I always wake up early to go around the place before the wave of people make pictures impossible)

~~~~~

(a propósito, a cidade está lotada de turistas, mas eu sempre acordo cedo para passear antes da multidão chegar e ficar impossível de fazer fotos)

Paraty-Rio-de-Janeiro-14 Paraty-Rio-de-Janeiro-21

Paraty-Rio-de-Janeiro-15 Paraty-Rio-de-Janeiro-16 Paraty-Rio-de-Janeiro-17 Paraty-Rio-de-Janeiro-18 Paraty-Rio-de-Janeiro-19 Paraty-Rio-de-Janeiro-20

Paraty-boat-ride-01 Paraty-boat-ride-02 Paraty-boat-ride-03

This entry was posted in Travel and tagged , , , , . Bookmark the permalink.

14 Responses to Nel mezzo del bloody cammin di nostra vita mi ritrovai in…

  1. dumarafon says:

    Annita, fantastique!!!

    Eu tenho muita vontade de conhecer o centro histórico de Paraty. Eu só passei em Paraty para um Liveaboard de mergulho em Ilha Grande …

    Boa viagem e continue lindamente nos informando sobre essa aventura!

  2. jeronimooo says:

    Amo as tuas postagens “on the road”!

  3. Janacekian says:

    First though: yay, ferns!😉
    Excellent read & photos, as always.🙂

  4. Brigadier Ken Timbers says:

    That must have been a bit scary, AnnA, but you produced some wonderful photos of your adventure! Well done!

  5. Reji says:

    Fascianting photos. Amazing Adventurist.. Lovely Anna. Thanks for he rich notes. Very intresting ofc.

  6. Ramón says:

    Very nice photos

  7. Luis Marcelo says:

    “Como se meter em enrascadas com estilo – Um guia para aventureiros sem senso de direção”. Já me acostumei com esses seus relatos, tipo aquele do Paraguai, da trilha perdida no morro, do Peru. Sempre penso no início da leitura “Se ela escreveu o post é porque sobreviveu!”.
    Por favor Anna, sobreviva sempre, você é uma figura!

  8. Lovely photos that rekindled old memories. I visited Paraty in 2003. Riding a bicycle on those large cobblestones hurt my butt!🙂

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s